Topo
Blog Física na Veia

Blog Física na Veia

Cobertura do eclipse solar em tempo real

Prof. Dulcidio Braz Júnior

02/07/2019 14h34

Registro pessoal do eclipse solar parcial feito às 12h18min do dia 26/02/2017,  em pleno carnaval.

 

Eu queria ter ido para a Argentina. Ou para o Chile. A ideia era observar o eclipse solar total ao vivo. Em mais de meio século de vida, só vi eclipses solares parciais. Mas não deu. Na correria normal da vida de professor, não consegui me organizar.

Vou tentar ver e fotografar daqui de São João da Boa Vista, interior de São Paulo, e me contentar com uma cobertura de pouco menos de 30% do disco solar.

O céu hoje "acordou" parcialmente nublado, o que pode inviabilizar as observações por aqui. Vamos aguardar e contar com a sorte para ver (ou não) o fenômeno astronômico que começa por volta das 17 h. Se eu conseguir boas imagens, como prometido no post de ontem, atualizo no post mais tarde.

Meu amigo Sérgio Sacani, do Space Today, a partir das 16 h, vai fazer cobertura em tempo real do fenômeno. Em suas excelentes coberturas, Sérgio sempre oferece imagens feitas por diversos colaboradores espalhados por diversas localidades. Confira logo abaixo. É só dar play e curtir!

 

Observe você também! Mas com segurança!

Antes de tudo, nunca olhe diretamente para o Sol por longo período. E o que pode ser ainda mais perigoso: jamais mire o Sol usando lunetas, binóculos, ou qualquer instrumento que concentre a luz solar porque você pode torrar células da retina e ficar cego! Papo seríssimo! 

Existem filtros solares específicos para observação do Sol. Mas não são fáceis de encontrar. E são caros.

Um meio seguro de observar o Sol é usar um vidro de soldador número 14. Você compra em casa de ferragens e é bem barato. O único inconveniente é que o seu Sol normalmente alaranjado ficará verdinho. Mas dá para ver silhueta da Lua Nova cobrindo o disco solar com muita nitidez e em tempo real. E o mais importante: segurança!

Outra forma bem segura e divertida de observar o Sol é por projeção. Consiga um pedaço de cartolina ou papelão e faça nele um furo central mais ou menos do diâmetro de um lápis. Com este simples dispositivo caseiro é possível projetar num anteparo (no chão ou numa parede) uma imagem nítida do disco solar.

Nada de usar vidro enegrecido com a chama de uma vela, antigos negativos de filme fotográfico. Não invente! Sua saúde ocular vem primeiro. Combinado? 

____

Até mais tarde, com minhas imagens, "se" o céu colaborar.


Atualização [18:40]

Tentei observar/fotografar o eclipse. Confira as imagens da tentativa frustrada que fiz com o celular.

Armei a câmera no tripé. Coloque o filtro Thousand Oaks diante da lente. E estava esperando o começo do fenômeno.

Câmera pronta, no tripé, com filtro solar. Uns 15 minutos antes da Lua começar a "morder" o Sol.

Conseguia ver no display da câmera o disco solar, fraco, difuso, mas conseguia. Se continuasse assim, daria para registrar a Lua Nova "mordendo" o Sol.

Apesar das nuvens, o Sol, difuso, estava visível pelo display da câmera. E assim daria para fazer alguns registros.

Mas, para meu desespero, as nuvens mais densas estavam mais para baixo. E, na medida em que o Sol descia rumo ao horizonte, ia desaparecendo no display da câmera. Veja o cenário como ficou.

Nuvens mais densas, bem baixas, tamparam o Sol que desapareceu da câmera segundos antes do evento começar.

Nem este praticante de voo livre, lá de cima, conseguiu ver o eclipse ironicamente eclipsado pelas nuvens.

Praticante de voo livre, de paramotor. Nem lá de cima dava para ver o eclipse.

 

Astronomia observacional tem dessas coisas… A dependência das condições de céu limpo é crítica! Tentei. Mas ao vivo não vi nem registrei nada.

Mas a cobertura do Sérgio do Space Today (veja mais para cima) foi bem bacana. Se você não a viu ao vivo, veja agora. Enquanto eu estava tentando fotografar o eclipse, acompanhava o Space Today pelo celular. E foi pela live do Sérgio que vi o belíssimo fenômeno em todas as suas fases.


 

Abraço do prof. Dulcidio! E Física e Astronomia na veia!


Já publicado no Física na Veia!

Sobre o autor

Dulcidio Braz Jr é físico pelo IFGW/Unicamp onde atuou como estudante e pesquisador no DEQ – Departamento de Eletrônica Quântica no final dos anos 80. Mas foi só começar a lecionar física para perceber que seu caminho era o da educação. Atualmente, além de professor, é autor de material didático pelo Sistema Anglo de Ensino / Somos Educação e pela Editora Companhia da Escola. É pioneiro no Brasil no ensino de Relatividade, Quântica e Cosmologia para jovens estudantes do final do ensino médio e início do curso superior. E faz questão de dizer que, aqui no blog, é professor/aluno em tempo integral pois, enquanto ensina, também aprende.

Sobre o blog

"O Física na Veia! nasceu em 2004 para provar que a física não é um “bicho papão”. Muita gente adora física. Só que ainda não sabe disso porque trocou o conteúdo pelo medo. Se começar a entender, vai gostar. E concordar: a Física é pop! Pelo seu trabalho de divulgação científica, especialmente em física e astronomia, sempre tentando deixar assuntos árduos mais leves sem jamais perder o rigor conceitual, o Física na Veia! foi eleito por um júri internacional como o melhor weblog do mundo em língua portuguesa 2009/2010 pelo The BOBs – The Best of Blogs da alemã Deutsche Welle."

Blog Física na Veia