Física na Veia!

Arquivo : LHC

Bóson de Higgs: cinco anos da histórica descoberta
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

Seminário do CERN em 4 de julho de 2012. (Imagem: Maximilien Brice, Laurent Egli / CERN)

 

Em 4 de julho de 2012, portanto há exatos cinco anos, durante um seminário no CERN – Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear que fica em Genebra, na Suíça, porta-vozes dos experimentos ATLAS – A Toroidal LHC ApparatuS e CMS – Compact Muon Solenoid, dois dos quatro principais experimentos realizados no LHC – Large Hadron Collider, fizeram um anúncio histórico: a descoberta de uma partícula com características compatíveis com o tão procurado bóson de Higgs. Confira post daqui do blog (ainda na plataforma antiga) cobrindo o fato histórico.

O bóson de Higgs vinha sendo exaustivamente procurado desde os anos 60 do século passado. Responsável por conferir massas às outras partículas, encontrá-lo era condição fundamental para validar o Standard Model (Modelo Padrão de Partículas Elementares). Mas a partícula proposta teoricamente parecia brincar de esconde-esconde com os cientistas! Na verdade, nenhum acelerador de partículas antes do LHC tinha energia suficiente para revelar a partícula “maldida” que, por conta de uma confusão editorial, passou a ser chamada — especialmente pela mídia desinformada e/ou sensacionalista — de “partícula de Deus” (confira detalhes dessa história aqui).

Quando participei da Escola de Física do CERN 2010, todos os cientistas com quem pude conversar lá no CERN tinham certeza de que o bóson de Higgs existia e acabaria aparecendo em algum experimento porque, de um total de 61 partículas previstas pelo modelo, apenas uma, o próprio bóson de Higgs, ainda não havia sido observado/confirmado. Eles alegavam que seria muita ironia o modelo falhar depois de tanto sucesso. E não deu outra! O LHC, desenhado para tentar “enxergar” o bóson de Higgs, dentre outras coisas, obteve sucesso e encerrou importante capítulo da Física de Altas Energias! Mas existem muitas outras perguntas a serem respondidas. E, talvez, perguntas que ainda nem sonhamos fazer acerca do mundo subatômico. Em Ciência, o livro não tem fim, é um capítulo atrás do outro!

O tempo passou rápido. Lá se foram cinco anos! O que será que os incríveis experimentos do LHC ainda vão nos trazer de novidades? A expectativa é enorme.  E o sonho gigante! Na dúvida sobre os limites do LHC, que tem quase 27 km de extensão e capacidade para operar em até 14 TeV por colisão próton-próton, já existe projeto de um novo acelerador de partículas nas dependências do CERN, ainda maior, com extensão entre 80 km e 100km, e que vai operar com ainda mais energia para tentar “ver” com mais detalhes as entranhas da matéria.

Esquema do novo acelerador de partículas que pretende superar o LHC (Fonte: CERN)

Pela relevância científica, a descoberta do bóson de Higgs rendeu Nobel de Física 2013 para os físicos François Englert e Peter Higgs, fato também documentado por mim em post aqui no Física na veia!.


Para ver (e relembrar)

Trechos em vídeo do histórico seminário do CERN de 4 de julho de 2012.


Para saber mais


Já publicado no Física na Veia!

(*) Post na plataforma antiga do blog

Uma canção de amor para a Física de Partículas
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior


Paródia de “Collide”, interpretada por Howie Day, compositor/cantor da versão original

 

Em 2015, Sarah Charley, gerente de comunicações dos EUA para os experimentos do LHC – Large Hadron Collider, o grande acelerador/colisor de hádrons, teve a ideia de fazer uma paródia da canção “Collide” de autoria do cantor e compositor americano Howie Day. Com a ajuda de três estudantes americanos de graduação em Física, a ideia virou realidade.

A inspiração começou pelo título original da canção que sugere uma “colisão” ao falar do encontro romântico entre duas pessoas. Por analogia, a paródia foi escrita do ponto de vista de um próton¹.  Para quem conhece o funcionamento do LHC, faz todo o sentido! No LHC, que é o maior acelerador/colisor de partículas construído pelo homem e que opera no CERN – Organização Europeia para Pesquisa Nuclear em Genebra,  na Suíça, dois feixes² de prótons, viajam em sentidos opostos a quase velocidade c da luz no vácuo, percorrendo os 27 km de extensão do anel subterrâneo do acelerador. Em quatro regiões específicas do anel, onde estão instalados os enormes e sofisticados detectores de partículas dos quatro maiores experimentos na incrível máquina (ATLAS, CMS, ALICE e LHCb), os feixes de prótons se cruzam. Deste cruzamento peculiar, forçado por eletroímãs supercondutores, há grande probabilidade de prótons se encontrarem e colidirem. E são exatamente estas colisões que são registradas pelo equipamento para posterior análise e estudo detalhado em busca de novas partículas³ oriundas da “tijolada” e também sobre uma possível Física de Partículas que vá além do Modelo Padrão de Partículas Elementares4.

Alguns detectores do LHC aparecem em vários pontos do videoclipe.

Foi assim que, em 2012, foi confirmada a existência da partícula de Higgs que rendeu Nobel de Física em 2013.

Uma versão amadora da paródia “Collide” foi gravada em vídeo por pesquisadores do CERN em 2015. Confira-a aqui. E fez bastante sucesso, pelo menos no meio científico. Tanto que o CERN, através da sua conta no Twitter, enviou o material para Howie Day, proprietário da canção original. Após uma breve troca de mensagens, Howie Day decidiu gravar a própria versão da paródia com a instrumentação original da canção. E registrou tudo num videoclipe durante visita ao CERN. O divertido material, publicado oficialmente hoje no Youtube, você pode assistir na janela de vídeo lá do topo do post. A letra da paródia, repleta de ideias de Física, reproduzo abaixo.

_________________________

Collide (paródia)

The beam is starting
The power is on
This is our parting
Goodbye my baryon
Yeah
We counter-rotate
I see you pass by
Till we make argon and lead tungstate
Light up again

Out of the depths of space and time
Even the bosons cannot hide
As the momentum starts to climb
I somehow find
You and I
Collide

The theories you know
We test their ground
Is there another Higgs?
Can SUSY still be found?

Out of the depths of space and time
Even the gluons cannot hide
As the momentum starts to climb
I somehow find
You and I
Collide

Dark Matter
2HDM
And Gravitons

Out in the depths of space and time
Even the sea-quarks cannot hide
Out of the mess we leave behind
What will they find
When you and I
Collide
What will they find
When you and I
Collide

What will they find
When you and I
Collide

_________________________

A versão original de “Collide”, que inspirou a paródia, você assiste logo abaixo.


“Collide” original, interpretada por Howie Day

NOTAS
(1) O próton é classificado como bárion por ser composto por três partículas ainda menores e elementares chamadas de quarks. Toda partícula assim constituída é um bárion
(2) Os feixes (beams) de prótons são acelerados por um complexo de aceleradores que culmina no LHC.
(3) Dentre as novas partículas pode(m) estar alguma(s) que nos aponte(m) a natureza da matéria escura, matéria que permeia todo o Universo mas que não emite luz. Sabemos de sua existência pelos efeitos gravitacionais que produz.
(4) Muitos cientistas apostam na SUSY ou Supersimetria, teoria que extrapola o Modelo Padrão de Partículas Elementares que foi comprovado com a comprovação da partícula de Higgs 2012, a última que faltava no quebra-cabeças.

Para saber mais


Já publicado no Física na Veia!

(*) Post na plataforma antiga do blog

Livro da Escola de Física do CERN: comprar ou baixar
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

Capa da obra

Capa da obra

 

Tive o prazer e a honra de participar¹ como autor do livro “Nós, professores brasileiros do ensino médio, Estivemos no CERN”.

A obra, idealizada e organizada pelo prof. Dr. Nilson Marcos Dias Garcia e editada pela SBF – Sociedade Brasileira de Física com recursos da CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, é uma coleção de 43 textos escritos por 49 professores brasileiros de física do ensino médio que participaram de diversas edições da Escola de Física do CERN em Língua Portuguesa que acontece anualmente em Genebra, na Suíça.

Lançado no ano passado, o livro está estruturado em cinco momentos distintos: 1) Localizando o CERN e a sua importância; 2) A Escola de Professores no CERN em Língua Portuguesa e a Escola de Física CERN; 3) A preparação dos professores selecionados para participarem da Escola de Física CERN; 4) A semana de curso no CERN; e 5) A difusão da experiência vivenciada após o retorno ao Brasil. Cada um desses momentos dá origem a um capítulo da obra. Confira:

Capítulo 1 – O CERN e a Física de Partículas
Capítulo 2 – A Escola de Física em Língua Portuguesa
Capítulo 3 – Preparando-se para ir ao CERN
Capítulo 4 – Experiências vividas no CERN
Capítulo 5 – A sala de aula pós CERN

O tijolão impresso, com 546 páginas, pode ser adquirido na Livraria da Física com desconto por apenas R$ 40,00 (+ frete). Mas, como se trata de um projeto sem fins comerciais, a partir de agora também está disponível para download em PDF. Logo, não há desculpa para não ter um exemplar físico ou digital.

Nada como um livro bem encadernado e organizado na prateleira da nossa biblioteca pessoal ou na cabeceira da cama, ao alcance das mãos. Concorda? Sem falar do insubstituível cheiro de tinta de um novo livro. Mas não há como negar que a leitura virtual é uma praticidade do mundo moderno e que está contribuindo para modificar positivamente o hábito de leitura das pessoas. Na dúvida, fique com as duas versões!

Para quem quer saber mais sobre o CERN e tudo o que acontece por lá, em especial no LHC – Large Hadron Collider, o maior acelerador de partículas de todos os tempos e que já fez história como palco da confirmação da existência do Bóson de Higgs que rendeu Nobel de Física em 2013o livro é um excelente ponto de partida. E vale também para divulgar esse importante projeto de capacitação de professores de física do ensino médio e que em setembro vai levar mais uma turma de docentes brasileiros para o CERN.

Fica a dica!


(1) Meu texto “Nunca mais minhas aulas foram as mesmas…” está na página 492 encerrando a obra e mostra, com exemplos, como o LHC e todo o conhecimento científico que gira ao seu redor dá suporte didático a praticamente todas as áreas do ensino da física clássica e moderna.

Já publicado no Física na Veia!

[09/04/2016]  Inscrições abertas para a Escola de Física do CERN 2016
[26/01/2015]  Nós estivemos no CERN
[05/09/2010]  O sonho de estar no CERN


Inscrições abertas para a Escola de Física do CERN 2016
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

 Fabíola Gianotti, que liderou a equipe do Experimento Atlas na descoberta do Bóson de Higgs

Fabíola Gianotti, que liderou a equipe do Experimento Atlas na descoberta do Bóson de Higgs e atual
diretora do CERN, falando no encerramento da Escola de Física do CERN 2015 ao lado do prof. Dr.
Pedro Abreu (LIP/Portugal) e do prof. Dr. Nilson Garcia (SBF/Brasil), coordenador da Escola de Física
do CERN no Brasil

 

O CERN – Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear mantém um amplo programa voltado à educação científica e destinado a capacitar professores de diversos países da Europa. Ele prevê visitas às instalações e laboratórios de pesquisa além de cursos sobre tópicos de Física de Partículas ministrados no idioma nativo dos participantes. Dentre as diversas línguas contempladas, está o Português, destinado a Portugal e alguns países da África convidados pelos portugueses.

Graças a uma parceria entre a SBF – Sociedade Brasileira de Física e o LIP – Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas, desde 2009 o Brasil participa oficialmente desse programa como país convidado.

Na versão atual, a Escola de Física do CERN (Portuguese Language Teachers Programme) começa no LIP, em Lisboa, Portugal, e é finalizada no CERN em Genebra, na Suíça.

Estão abertas, até o dia 2 de maio¹, as inscrições para a Escola de Física do CERN 2016 que acontecerá no segundo semestre, entre 28 de agosto e 2 de setembro de 2016.

Ficou interessado? Se você é professor de Física do ensino médio de escolas públicas ou particulares do Brasil, pode tentar uma das vagas nesse projeto fantástico! Confira o Edital. Corra. Faça o seu projeto e inscrição. E boa sorte!

A parte chata (e triste) dessa notícia é que a crise econômica pela qual passamos aqui no Brasil infelizmente chegou a esse belíssimo projeto. Segundo o Prof. Dr. Nilson Marcos Dias Garcia, coordenador da Escola de Física do CERN, “não foi possível obter financiamento para o custeio dos selecionados”, ou seja, “os recursos necessários deverão ser obtidos pelos próprios participantes”. Pelo menos o evento sobreviveu bravamente à crise e, quem sabe, mais adiante, volte a ter subsídio de alguma instituição financiadora de projetos de pesquisa e capacitação científicos!

1. As inscrições, pelo edital, terminariam hoje, 25 de abril. Mas foram prorrogadas em uma semana e agora podem ser feitas até 2 de maio!

 

O LHC

O LHC – Large Hadron Collider é o maior acelerador/colisor de partículas já construído pelo homem. Ele fica na sede do CERN em Genebra, na Suíça. 

Em dois (dos quatro experimentos) do LHC foi confirmada em 2012 a existência do Bóson de Higgs, partículas prevista pelo Modelo Padrão de Partículas nos anos 60 do século passado mas nunca antes observada (saiba mais nesse post e nesse outro post também).

Logo em 2013 a descoberta rendeu Nobel de Física para Peter Higgs e François Englert.

Em 2010 eu participei da Escola de Física do CERN com bolsa da CAPES e, através do Física na Veia!, em parceria com o UOL Ciência, cobri o evento em tempo real. Foi um sucesso! Veja aqui todos os posts da minha cobertura.

Minha visita ao LINAC 2, o primeiro estágio (de um total de cinco) do complexo de aceleradores do CERN que culmina no LHC.

Minha visita ao LINAC 2, o primeiro estágio (de um total de cinco) do complexo de aceleradores do CERN que culmina no LHC.

Posso garantir que conhecer de perto o CERN e o LHC é uma experiência transcendental. Num único lugar você pode ver de perto toda a Física de Partículas viva, da teoria à prática, e suportada pela mais alta tecnologia acumulada em décadas de pesquisas. É sensacional!

Vale lembrar que o LHC acaba de ser religado após passar por uma pequena parada técnica entre o final de 2015 e os três primeiros meses de 2016. Melhorado, o acelerador/colisor tem agora a capacidade para produzir e registrar 1 bilhão de colisões por segundo. Incrível, não? Ainda mais poderoso, o LHC vai continuar a sua busca por outras respostas que vão além do Bóson de Higgs que era apenas o seu primeiro alvo. “O que é a matéria escura?”, a maior parte da matéria que constitui o Universo e só sabemos existir indiretamente, pelos efeitos gravitacionais que produz, e “Por que houve assimetria entre a matéria e a anti-matéria originadas na criação do Universo?”, são apenas dois de outros tantos enigmas que podem ser desvendados. E é possível até mesmo que algo inesperado e realmente novo seja descoberto pelos cientistas! Vamos aguardar!

 

Nós … estivemos no CERN, o livro

Nos_Estivemos_No_CERN

Capa da obra escrita por diversos professores brasileiros participantes da Escola de Física do CERN

Em 2015 foi lançado o livro Nós, professores brasileiros de Física do ensino médio, estivemos no CERN (confira mais detalhes aqui).

O livro é uma coleção de textos com depoimentos de alguns dos professores brasileiros de física do ensino médio que participaram das diversas edições da Escola de Física do CERN em Língua Portuguesa.

O livro está estruturado em cinco momentos distintos: 1) Localizando o CERN e a sua importância; 2) A Escola de Professores no CERN em Língua Portuguesa e a Escola de Física CERN; 3) A preparação dos professores selecionados para participarem da Escola de Física CERN; 4) A semana de curso no CERN; e 5) A difusão da experiência vivenciada após o retorno ao Brasil. Cada um desses momentos dá origem a um capítulo da obra. Confira:

Capítulo 1 – O CERN e a Física de Partículas
Capítulo 2 – A Escola de Física em Língua Portuguesa
Capítulo 3 – Preparando-se para ir ao CERN
Capítulo 4 – Experiências vividas no CERN
Capítulo 5 – A sala de aula pós CERN

Ao todo são 43 artigos escritos por 49 professores, dentre os quais o meu próprio artigo “Nunca mais minhas aulas foram as mesmas” onde apresento inúmeros exemplos que mostram como usar o LHC como pano de fundo e motivação para muitas aulas que vão da Física Clássica até a Física Moderna.

O livro, com 544 páginas, pode ser adquirido na Livraria da Física por apenas R$ 40,00 mais frente.


No Facebook, para CURTIR e SEGUIR


Programação e material didático de edições anteriores da Escola do CERN (Portuguese Programme)


Já publicado no Física na Veia!

(*) Posts na plataforma antiga do blog

O futuro chegou. E é hoje!
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

 

No segundo episódio da trilogia Back To The Future, Marty McFly, personagem principal da trama, sua namorada Jennifer Parker e o cientista “maluco” Dr. Emmett Brown que vivem em 1985 viajam 30 anos para o futuro. Eles usam a máquina do tempo inventada pelo Dr Brown e que funcionava em um Delorean, carro que naquela época era sinônimo de modernidade. E chegam ao futuro exatamente no dia 21 de outubro de 2015, ou seja, hoje!

A Bia Souza, jornalista do UOL Ciência, em parceria com a TV UOL, elaborou matéria em vídeo sobre o tema. Dei uns pitacos no roteiro. O resultado está logo acima.

Aproveito o vídeo e a data especial para convidar você leitor do Física na Veia! para uma reflexão: do ponto de vista da Física, é possível viajar no tempo?

E a resposta, ancorada na Ciência, é um sonoro SIM!

Pela Teoria da Relatividade Restrita

A Teoria da Relatividade Restrita (1905) de Albert Einstein nos mostra que, se viajamos com velocidade não desprezível em relação à velocidade c da luz no vácuo (300 000 km/s, aproximadamente), o tempo no nosso referencial fluirá mais lentamente. Quanto mais próximo estivermos de c, mais devagar o tempo vai passar em nosso referencial. Mas no referencial de quem não viajou o tempo continua o seu fluxo normal. Em outras palavras, o tempo flui mais depressa para quem fica e mais devagar para quem vai. Dessa forma, quando retornamos da viagem, chegamos no futuro porque o tempo na Terra, referencial de quem não viajou, passou mais depressa do que o tempo dentro da nave.

Estranho? Com certeza. É que não experimentamos efeitos relativísticos pois não temos veículos capazes de viajar tão rápido.

Mas a relatividade do tempo não tem nada de ficção científica. É Física comprovada e já bastante testada nos aceleradores de partículas, por exemplo.

Mas tem um detalhe importantes: esse mecanismo só permite viajar para frente no tempo, ou seja, para o futuro.

Pela Teoria da Relatividade Geral

A Teoria da Relatividade Geral de Einstein (1915), uma espécie de upgrade na primeira teoria, trata a gravidade não como uma força atrativa mas como uma deformação no espaço-tempo, um espaço geométrico com três dimensões espaciais e uma dimensão temporal. Nela o tempo e o espaço estão irremediavelmente entrelaçados numa complexa geometria nada trivial.

A Relatividade Geral prevê que corpos dotados de bastante gravidade podem distorcer esse “tecido” espaço temporal, alterando o fluxo do tempo. Abre-se assim a possibilidade, em casos extremos, de uma distorção espaço-temporal tão grande a ponto de criar um atalho dimensional chamado de Ponte de Einstein-Rosen mas bem mais conhecido como Worm Hole (em português, Buraco de Minhoca).

Por um Buraco de Minhoca, hipoteticamente, poderíamos pegar um atalho para viajar tanto no espaço quanto no tempo, em qualquer direção e sentido. Em outras palavras, daria para ir muito longe e para o passado ou para o futuro. Mas nunca nenhum Worm Hole foi observado. E não temos a menor ideia de como criar um atalho desse que, pra complicar, certamente exigiria uma quantidade brutal de energia. E tem mais: não sabemos que efeitos negativos poderiam existir sobre a nossa própria saúde se tentássemos atravessar um túnel dimensional.

Correções Relativísticas já são realidade

Se você ainda não se convenceu de que velocidade alta e/ou gravidade intensa podem afetar o fluxo temporal, dou um exemplo importante. O sistema de geolocalização que conhecemos como GPS, tão presente em nossas vidas e que funciona incorporado na maioria dos dispositivos móveis, só funciona com bastante precisão porque faz correções relativísticas tanto pela velocidade dos satélites (Relatividade Restrita) quanto pela gravidade do nosso planeta (Relatividade Geral).

Os 24 satélites do sistema GPS

Os 24 satélites do sistema GPS. Fonte: astronoo.com

É fato que os satélites do sistema GPS viajam com velocidade muito menor do a velocidade da luz no vácuo. Também sabemos que a Terra não tem uma gravidade gigante. Mas o efeito cumulativo poderia tirar de sincronia os relógios dos satélites e os relógios terrestres, fazendo o sistema de geolocalização fortemente ancorado no tempo de viagem de sinais eletromagnéticos “errar” cada vez mais. Para você ter uma ideia, não fossem as correções relativísticas, teríamos um erro de geolocalização da ordem de até 10 km por dia! Mas nossos aparelhos de GPS funcionam bem e erram apenas em distâncias da ordem de poucos metros. Prova experimental irrefutável que as duas Relatividades de Einstein funcionam muito bem na prática! E, se viagens no tempo dependem dessas teorias, então viagens no tempo são fisicamente possíveis.

Conclusão: já temos base científica para viajar no tempo. Falta-nos, principalmente, tecnologia.

Mas tecnologia é questão de tempo (sem trocadilhos, por favor!). Basta olhar os avanços tecnológicos do mundo atual. Muita coisa que já foi ficção científica, hoje é realidade.

Se quiser um pouco mais sobre Relatividade bem como sobre Quântica e Cosmologia num nível acessível, ou seja, sem exageros matemáticos, procure pelo Tópicos de Física Moderna, livro de minha autoria editado em 2002 pela Companhia da Escola. Trata-se de um trabalho pioneiro no Brasil de ensino de Física Moderna para jovens ao final do ensino médio e início do ensino superior.


Para saber mais


 

Já publicado no Física na Veia! 

  • [21/11/2009]  Acelera LHC! (exemplo de aplicação de correção relativística num acelerador de partículas)

O coelho… digo… vídeo de Alice
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

 

“Medicina nuclear salva vidas” é o nome do vídeo  acima que foi criado pela estudante brasileira Alice Cunha da Silva que cursa o quinto ano de Engenharia Nuclear na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Fazer um vídeo de até 60 s era o primeiro desafio proposto pela Nuclear Olympiad (Olimpíada Nuclear), evento internacional de nível universitário promovida pela WNU (World Nuclear University). O vídeo foi inspirado no problema de saúde da própria avó que tem câncer e faz tratamento com radioterapia.

Mesmo sem muitos recursos técnicos, Alice, que usou o Windows Movie Maker, software gratuito do MS Windows para editar vídeos, passou pela primeira etapa em meados desse ano por votação via web e foi convocada para a disputa final com outros quatro universitários de outros países.

Ontem, 17 de setembro de 2015, Alice cumpriu a segunda e árdua etapa da competição que previa defesa presencial da sua dissertação sobre o tema do vídeo para uma banca em Viena, na Áustria. Adivinhe? Alice conquistou o primeiro prêmio!

Parabéns para a Alice! Sensacional!

Que o prêmio sirva de estímulo e inspiração para outros jovens estudantes brasileiros aplicados e talentosos!  E que prevaleça, sobretudo, o seu exemplo de superação ao transformar um problema familiar em combustível para seu trabalho de pesquisa!


Só para constar… aproveitando o embalo…

No CERN – Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear, onde fica o LHC – Large Hadron Collider e onde em 2010 tive o privilégio de participar como bolsista da CAPES da Escola de Física do CERN – Portuguese Programme, há uma laboratório avançado de pesquisas em radioisótopos.

Muitos criticam o alto custo de construção e manutenção do LHC. Mas desconhecem que, por trás da pequisa pura em Física de Partículas, há muito conhecimento e especialmente muita tecnologia derivada com aplicações diretas em nossas vidas. São os chamados spinoffs. Quer exemplos?

 

A própria NASA, que precisa justificar continuamente os custos com seus projetos, faz questão de deixar claras as aplicações derivadas das suas pesquisas na área da ciência aeroespacial. Dessa forma custo se transforma em investimento! Confira os links abaixo:


Saiba mais sobre Alice e a competição internacional

 


O LHC está de volta
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

Vídeo original publicado pelo CERN em 03 de junho de 2015

 

O LHC – Large Hadron Collider voltou a operar em sua segunda rodada que, como a primeira, promete fazer muito barulho no meio científico.

Você sabe do que estou falando, não sabe?  O LHC faz parte de um conjunto de aceleradores instalados no CERN – Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear que fica na fronteira entre a França e a Suíça. Trata-se da maior e mais complexa máquina científica de todos os tempos. Ele foi inaugurado em setembro 2008 e, mesmo operando abaixo da sua capacidade máxima, já fez história: rendeu Nobel de Física em 2013 para François Englert e Peter Higgs pela comprovação (em 2012) da existência do Bóson de Higgs, a última partícula que faltava para validar o Modelo Padrão de Partículas Elementares que previa um total de 61 partículas das quais 60 já haviam sido confirmadas. Lembrou? O Bóson de Higgs foi por muitos chamado de partícula de Deus, nome horrível mas que, ainda que de maneira torta, ajudou a popularizar o que estava acontecendo de mais avançado em pesquisa em Física de Altas Energias, dando “força” à minha tese de que “a Física é pop”.

A poderosa máquina, desenhada para ir ainda muito mais longe. ficou parada por quase dois anos para reparos e minucioso upgrade numa operação batizada de LS1 – Long Shutdown 1 que envolveu um batalhão de técnicos, engenheiros e físicos.

Religado no último mês, agora operando em 6,5 TeV por próton/feixe (ou 13 TeV por colisão próton-próton), o LHC já trabalha com feixes estáveis. E a melhor notícia dessa nova etapa: já começam a aparecer os primeiros registros de colisões bem-sucedidas nos principais experimentos (ATLAS , CMS , LHCb e ALICE).

O ATLASA Toroidal LHC ApparatuS e o CMSCompact Muon Solenoid foram desenhados, dentre outras coisas, para procurar e confirmar a existência do Bóson de Higgs. E cumpriram muitíssimo bem a missão! E ainda podem ir mais longe.

O LHCbLarge Hadron Collider beauty tem como meta principal tentar desvendar o segredo por trás da assimetria na gênese da matéria e da anti-matéria logo após o Big Bang. Se quantidades iguais de matéria e antimatéria tivessem sido criadas logo após o início do Universo, ambas teriam se aniquilado e dado lugar a apenas energia. O Universo seria somente um oceano de energia espalhada, muito diferente do que é hoje. Como o Universo é de matéria e evoluiu de forma bem diferente, fica a grande questão: o que teria acontecido com a antimatéria?

O ALICEA Large Ion Collider Experiment pretende registrar colisões de íons pesados que vão tentar simular como era o Universo imediatamente após o Big Bang. É uma situação conhecida no meio científico como “sopa de quarks e glúons”. Vale lembrar que os quarks, partículas elementares, nunca foram observados livres. Eles estão sempre unidos de três em três para formar prótons e nêutrons, partículas muito estáveis, presentes no núcleo atômico e, portanto, tijolos fundamentais para a organização da matéria ordinária que tão bem conhecemos e da qual somos todos feitos. Também já foram observados quarks “grudados” de dois em dois formando partículas chamadas mésons.  Acredita-se que, antes da matéria se organizar como a conhecemos, quarks livres e glúons formavam esse caldo primordial. Antes que me esqueça, os glúons são as partículas mediadoras da força que “cola” os quarks para formar outras maiores, daí o nome glúon (cola, em inglês).

Cientistas ainda imaginam que com o LHC operando nessa nova etapa com mais energia talvez seja possível observar eventos que poderão trazer pistas sobre o que pode ser a matéria escura, matéria invisível em todas as faixas do espectro eletromagnético e por isso mesmo batizada de escura. Só sabemos da sua existência pelos efeitos gravitacionais que produz. Esse é um dos grandes enigmas da Cosmologia moderna.

A segunda rodada do LHC está só começando. Mas promete agitar a comunidade científica! Estou muito curioso para saber onde isso vai dar! E você?

 

Roteiro para ver o vídeo

DulcidioBrazJr_LINAC2

Minha visita ao LINAC 2, o primeiro estágio (de um total de cinco) do complexo de aceleradores do CERN que culmina no LHC.

 

O vídeo lá do topo do post, de autoria do CERN, publicado hoje, é bastante didático. E, em menos de 3 minutos, nos leva de carona com os prótons numa viagem por dentro do complexo de aceleradores do CERN.

Tive o prazer de conhecer o CERN e o LHC há cinco anos quando participei da Escola de Física do CERN 2010 . Por isso, a seguir, usando um pouco do que vi e aprendi, dou uma ajudazinha detalhando o que o vídeo mostra. Acho que isso vai ajudar você a entender melhor essa maravilha de esforço científico.

Estágio 0: onde tudo começa

O grande experimento começa numa garrafinha de hidrogênio, a fonte dos prótons.  O segredo está no Duoplasmatron, uma engenhoca que vista por fora parece uma panela de pressão mas que por dentro é pura tecnologia. O Duoplasmatron pega átomos de hidrogênio e, a partir de uma descarga elétrica, arranca deles o único elétron, deixando livre o caroço, literalmente o seu único próton.

CERN_LHC_Duoplasmatron

A fonte de prótons do complexo de aceleradores do CERN: a “garrafinha (vermelha) de hidrogênio”, conectada ao Duoplasmatron, peça metálica logo abaixo (arquivo pessoal).

 

Estágio 1: o primeiro acelerador 

Os prótons, libertos do hidrogênio pelo Duoplasmatron, são  entregues ao LINAC 2, o único acelerador linear de todo o complexo e que literalmente os coloca pra correr. Ao final do corredor do LINAC 2 (veja foto abaixo) cada próton carrega energia de 50 MeV (50 ooo ooo eV) e tem velocidade equivalente a pouco mais de 30% da velocidade da luz no vácuo. Com essa velocidade, correções relativísticas já começam a ser necessárias.

O que acelera os prótons, conferindo-lhes mais energia cinética, é o campo elétrico do acelerador linear.

CERN_LHC_LINAC2

O LINAC2, o único acelerador linear de todo o complexo e que dá o pontapé inicial no movimento dos prótons provenientes do Duoplasmatron (arquivo pessoal).

 

Estágio 2: o segundo acelerador 

Ao sair do LINAC2 cada próton é injetado no PS Booster que, como o nome sugere, dá uma “turbinada’ no movimento dos prótons, acelerando-os até a energia de 1,4 GeV.

Chamo a sua atenção para o fato de que, ao final dessa segunda etapa de aceleração os prótons já têm quase 92% da velocidade da luz no vácuo! Por conta dos efeitos relativísticos, na medida em que se aproximam da velocidade da luz no vácuo, os prótons vão ficando cada vez com maior massa inercial. Isso vai dificultando o aumento da velocidade dos mesmos. Mas a energia de cada próton, a cada estágio, poderá crescer sempre mais, embora a velocidade vá crescer cada vez menos.

Observo também que, daqui para frente:

1) Todos os aceleradores/estágios são circulares. E o raio dos aceleradores vai crescendo. Nesse tipo de acelerador circular, o campo magnético criado por bobinas supercondutoras produz força radial que curva a trajetória dos prótons. Mas quem dá energia cinética cada vez maior aos prótons continua sendo o campo elétrico.

2) Não tenho fotos pessoais desses aceleradores circulares. Todos são subterrâneos e, quando em funcionamento, não permitem acesso ao local. Em 2010, quando estive por lá, o complexo estava trabalhando a todo vapor. Mas o vídeo vai dar para você uma ideia de como são esses tuneis dos aceleradores por dentro.

 

Estágio 3: o terceiro acelerador 

O terceiro acelerador, que vai empurrar os prótons conferindo-lhes ainda mais energia, é o Próton Synchrotron. Nesse estágio os prótons chegam à energia de 25 GeV (25 000 000 000 eV) e velocidade de 99,93% da velocidade da luz no vácuo.

Estágio 4: o quarto (e penúltimo) acelerador 

O penúltimo estágio acelerador ocorre no Super Proton Synchrotron onde os prótons atingem energia de 450 GeV ( 450 000 000 000 eV) para, finalmente, serem enjetados no quinto e último estágio, o LHC. Nesse ponto a velocidade dos prótons já é de 99,9998% da velocidade da luz no vácuo.

 

Estágio 5: o LHC  

O último estágio acelerador é o LHC propriamente dito que compreende um túnel de quase 27 km de extensão a 100 m de profundidade, encravado na rocha entre o lago de Genebra *Suíça) e o Monte Jura (França).

Repare que é nesse estágio que o feixe de prótons até então único é separado em dois feixes distintos que vão percorrer o anel em sentidos opostos.

No LHC os prótons poderão atingir a energia de 7 TeV (7 000 000 000 000 eV), o que equivale a uma incrível velocidade de 99,9999991% da velocidade da luz no vácuo!

Atualmente, pós LS1, a anergia de operação é de 6,5 TeV por próton/feixe (ou 13 TeV por colisão), ainda um pouco abaixo da capacidade máxima projetada para a máquina.

Dica: Se quiser saber como se calcula a energia cinética relativística dos prótons ao final de cada um dos cinco estágios de aceleração descritos acima, leia o post “Reaberta a Temporada de Caça ao Bóson de Higgs  que criei com essa proposta didática específica. Dá para entender bem como a Teoria da Relatividade Restrita de Einstein se faz necessária nos aceleradores de partículas.

 

Por que “Collider”? 

Você reparou que até aqui só falei da aceleração dos prótons, o que em minhas palestras (como nessa) costumo chamar de “Efeito The Flash”? No LHC os prótons chegaram quase à velocidade da luz no vácuo. Para você ter uma ideia de quão rápido é isso, nessa velocidade incrível cada próton pode dar cerca de 11 000 voltas no anel de quase 27 km a cada 1 segundo! Incrível, não?

Mas o que há de mais importante nesse fantástico experimento científico e que justifica o nome “Collider” (colisor) é o que batizei carinhosamente de “Efeito Chuck Norris”, ou seja, as colisões. A mais pura pancadaria de proton com proton (e futuramente entre íons pesados para tentar recriar a sopa primordial de quarks e glúons)! É exatamente por isso o feixe único inicial de prótons foi dividido em dois que viajam no anel do LHC em sentidos opostos. Em alguns pontos do anel feixes opostos vão se cruzar, propiciando as colisões.

CERN_LHC_Slide_palestra

Slide da palestra “LHC: um passeio virtual pelo maior experimento científico de todos os tempos”.

 

Para você entender a importância de tanta energia por colisão, comparo os aceleradores de partículas a microscópios nos quais, quanto mais energia, menor o tamanho das coisas que podemos “observar”. Com 3,5 TeV por próton/feixe (ou 7 TeV por colisão) já foi possível detectar o Bóson de Higgs. Mas os cientistas querem espiar as entranhas da matéria ainda mais a fundo. E por isso a máquina foi projetada para trabalhar com muito mais energia por colisão.

As colisões propriamente ditas acontecem em quatro sítios (ou experimentos) distribuídos ao longo dos quase 27 km do anel subterrâneo do LHC. Como já citei acima, esses quatro experimentos são o ATLAS, o CMS, o LHCb e o ALICE. Cada experimento tem seus detectores desenhados sob geometria e técnica precisas para analisar os eventos gerados nas colisões com foco em aspectos bem específicos e distintos. É mais ou menos como dizer que o LHC tem “quatro olhos” bem diferentes. Cada um dos olhos tenta “ver” os eventos de uma maneira distinta, escolhida a dedo pelos cientistas envolvidos no projeto da máquina.

CERN_LHC_Slide__palestra

Outro slide da palestra “LHC: um passeio virtual pelo maior experimento científico de todos os tempos”, agora mostrando os quatro principais experimentos subterrâneos do LHC.

 

Dados, muitos dados… 

CERN_LHC_Caverna_CMS

Visitando a caverna do CMS. Cabos e mais cabos interligando os detectores de partículas a um complexo de computadores que analisam e registram os dados coletados nas colisões em tempo real. (arquivo pessoal)

A cada segundo, 600 milhões de colisões acontecem em média no LHC. Esses eventos são analisados em tempo real por um complexo sistema computacional. Somente os eventos consideradores relevantes são gravados para posterior análise.

Mesmo  eliminando eventos conhecidos e redundâncias, a quantidade de dados gravada é monstruosa. Um complexo sistema distribui os dados do LHC em rede para cientistas que cooperam com a pesquisa espalhados pelo mundo todo. Foi para conectar a comunidade científica mundial em rede que nasceu dentro do CERN o protocolo WWW usado na internet e doado para a comunidade. Confira toda a história nesse post.

Na imagem acima, em visita à caverna do CMS, a 100 de profundidade, e bem ao lado do anel do LHC, me deparei com uma infinidade de cabos conectando os sensores do detector a um complexo sistema de computadores dedicados. Parece uma grande bagunça. Mas na verdade há uma ordem severa por trás do caos. Tanto que tudo funciona perfeitamente bem, apesar da estética desfavorável.

____________________________________

Deixe seu comentário. E continue ligado aqui no Física na Veia!.

Visite e CURTA a fanpage do blog no Facebook. Toda e qualquer novidade relacionada à segunda rodada do LHC será certamente publicada por aqui e/ou na fanpage! Combinado?

 


Já publicado no Física na Veia!


Nós Estivemos no CERN
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

Nos_Estivemos_No_CERN

Capa da obra

 

Está em fase final de produção/editoração o livro “Nós, professores brasileiros do ensino médio, Estivemos no CERN”. A obra foi idealizada e organizada pelo prof. Dr. Nilson Marcos Dias Garcia e será editada pela SBF – Sociedade Brasileira de Física com recurso da CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior.

Trata-se de uma coleção de textos com depoimentos de alguns dos professores brasileiros de física do ensino médio que participaram das diversas edições da Escola de Física do CERN em Língua Portuguesa.

O livro está estruturado em cinco momentos distintos: 1) Localizando o CERN e a sua importância; 2) A Escola de Professores no CERN em Língua Portuguesa e a Escola de Física CERN; 3) A preparação dos professores selecionados para participarem da Escola de Física CERN; 4) A semana de curso no CERN; e 5) A difusão da experiência vivenciada após o retorno ao Brasil. Cada um desses momentos dá origem a um capítulo da obra. Confira:

Capítulo 1 – O CERN e a Física de Partículas
Capítulo 2 – A Escola de Física em Língua Portuguesa
Capítulo 3 – Preparando-se para ir ao CERN
Capítulo 4 – Experiências vividas no CERN
Capítulo 5 – A sala de aula pós CERN

Ao todo são 43 artigos escritos por 49 professores. Tenho a honra de ser um deles. Participei da edição 2010 da Escola de Física do CERN e tive o prazer de escrever “Nunca mais minhas aulas foram as mesmas…”, artigo que fecha a obra e no qual mostro inúmeros exemplos reais de como minha capacitação no CERN – Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear bem como a inesquecível experiência pessoal de ver de perto o LHC – Large Hadron Collider¹ influenciaram as minhas aulas e até materiais didáticos que produzi depois que estive em Genebra, na Suíça.

Segundo relato do prof. Nilson, preparar a obra “Foi um trabalho intenso, mas gratificante. Gostei muito do resultado. Ficou espetacular. Em diversos sentidos. São quase 550 páginas. Muitas fotos. Muitos depoimentos e conteúdo”.

Fico imaginando o trabalhão que deu para “costurar” os textos criados por tantos cérebros diferentes! E confesso: estou morrendo de vontade de ver o “tijolo” impresso e bastante curioso para ler os artigos dos colegas professores que, assim como eu, tiveram o privilégio de participar de uma das edições da Escola de Física do CERN!

O projeto do livro será apresentado oficialmente hoje, 26 de janeiro de 2015, durante o Encontro dos Participantes da Escola de Física no CERN dentro do SNEF – Simpósio Nacional de Ensino de Física 2015 que acontecerá no Campus Santa Mônica da UFU – Universidade Federal de Uberlândia, em Uberlândia, MG, até o dia 30 de janeiro. Como o livro ainda está em fase de finalização, o prof. Nilson prometeu levar um exemplar impresso como prévia do que será a obra final. Infelizmente, por compromissos profissionais, não estarei no evento que pretende reunir o maior número possível de professores participantes das Escolas do CERN. Mas vou acompanhar tudo à distância.

Para matar saudades da Escola de Física do CERN 2010, publico a seguir foto da minha visita ao LINAC 2 (acelerador linear) de onde partem os prótons que alimentam o LHC. E mais abaixo um vídeo divertido mostrando o rastro de uma partícula de raio cósmico na Câmara de Nuvens “caseira” que desenvolvemos numa oficina durante o evento em Genebra. Note, aos 22 s, o espanto de um professor ao “ver” uma partícula (a rigor, o seu rastro) na nuvem de vapor de álcool isopropílico saturado dentro da câmara.

DulcidioBrazJr_LINAC2

Minha visita ao LINAC 2, o primeiro estágio (de um total de cinco) do complexo de aceleradores do CERN que culmina no LHC.


 1. O Large Hadron Collider é o maior experimento científico de todos os tempos. Trata-se de um acelerador/colisor projetado para estudar as entranhas da matéria a partir da colisão de prótons e também de íons pesados. Foi em dois experimentos no LHC que foi confirmada a existência do Bóson de Higgs, partícula fundamental no Modelo Padrão de Partículas Elementares. Seus idealizadores receberam  Nobel de Física em 2013. Confira (no menu, à direita do blog)  coleção de  posts organizados como Especiais Temáticos “CERN & LHC”.

Para saber mais sobre o livro 


Para saber mais sobre a Escola de Física do CERN

A participação de professores brasileiros na Escola de Física do CERN em Língua Portuguesa é um projeto organizado sob a responsabilidade da Secretaria para Assuntos de Ensino da SBF – Sociedade Brasileira de Física com suporte financeiro institucional da Diretoria de Formação de Professores da Educação Básica da CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior numa ação da Coordenação Geral de Programas de Valorização do Magistério.

O prof. Dr. Nilson Marcos Dias Garcia foi o coordenador e chefe de todas as delegações que já levaram 143 professores brasileiros ao CERN/LHC.

Saiba mais sobre o evento no site oficial da Escola de Física do CERN: www.sbfisica.org.br/v1/escolacern.

Acompanhe as novidades da Escola de Física do CERN na fanpage no Facebook: www.facebook.com/sbfisicacern. 

Escola_CERN_2010_BR_G

Professores brasileiros participantes da Escola de Física do CERN 2010 com o prof. Nilson em frente
ao restaurante do CERN (clique para abrir versão maior)


Já publicado no Fìsica na Veia! 

  • [05/09/2010]  O Sonho de Estar no CERN (e todos os meus posts “Diário de Bordo” cobrindo cada um dos dias da Escola de Física do CERN 2010 em parceria com o UOL Ciência)

< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>