Física na Veia!

Arquivo : HL-LHC

Bóson de Higgs: seis anos da histórica descoberta
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior


Vídeo comemorativos dos cinco anos da detecção do Bóson de Higgs

 

O vídeo acima, publicado pelo CERN em 4 de julho de 2017, é uma edição especial comemorativa dos cinco anos da descoberta do Bóson de Higgs.

Com imagens do histórico seminário nas dependências do CERN, em Genebra, Suíça, em 4 de julho de 2012, ele mostra emocionantes momentos do anúncio oficial da detecção do bóson de Higgs.

Na época escrevi este post. E, implacavelmente, lá se vai mais um ano! Neste texto eu anunciei um projeto de construção de um novo e ainda maior acelerador de partículas que pode ter de 80 km a 100 km de extensão. Por comparação, o LHC – Large Hadron Collider, onde o Bóson de Higgs foi confirmado, tem 27 km.

Esquema do novo acelerador de partículas que pretende superar o LHC

 

Mas este projeto, ambicioso, é bastante complexo e proporcionalmente caro. Logo, é algo para ser concretizado décadas adiante.

Como solução imediata, bastante inteligente, mais rápida e mais barata, o LHC passará por um significativo upgrade nos equipamentos e vai chamar-se High-Luminosity LHC (HL-LHC).

Tais atualizações tecnológicas aumentarão a luminosidade¹ do acelerador por um fator de pelo menos 5 e fará com que a quantidade de dados coletada seja cerca de 10 vezes maior. Estas melhorias irão permitir estudos mais profundos que pretendem testar diversas teorias que vão além do Modelo Padrão de Partículas Elementares.

A previsão de funcionamento do HL-LHC é 2026. Até lá o LHC continuará operando normalmente, mas fará duas longas paradas técnicas para a instalação gradativa do HL-LHC.

O que será que vem por aí de novidades científicas? Vamos aguardar pra saber!


¹ Luminosidade (ou luminosity, em inglês), designada por L, é o termo específico e bastante técnico utilizado dentro da teoria de espalhamento de partículas para designar a razão entre o número N de eventos detectados em um determinado intervalo de tempo t e a seção transversal de interação σ. Para não complicar demais, pense nele como muma parâmetro que mede a performance de um acelerador de partículas.

Já publicado no Física na Veia! 

(*) Post na plataforma antiga do blog

 


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>