Física na Veia!

Arquivo : François Englert

Bóson de Higgs: cinco anos da histórica descoberta
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

Seminário do CERN em 4 de julho de 2012. (Imagem: Maximilien Brice, Laurent Egli / CERN)

 

Em 4 de julho de 2012, portanto há exatos cinco anos, durante um seminário no CERN – Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear que fica em Genebra, na Suíça, porta-vozes dos experimentos ATLAS – A Toroidal LHC ApparatuS e CMS – Compact Muon Solenoid, dois dos quatro principais experimentos realizados no LHC – Large Hadron Collider, fizeram um anúncio histórico: a descoberta de uma partícula com características compatíveis com o tão procurado bóson de Higgs. Confira post daqui do blog (ainda na plataforma antiga) cobrindo o fato histórico.

O bóson de Higgs vinha sendo exaustivamente procurado desde os anos 60 do século passado. Responsável por conferir massas às outras partículas, encontrá-lo era condição fundamental para validar o Standard Model (Modelo Padrão de Partículas Elementares). Mas a partícula proposta teoricamente parecia brincar de esconde-esconde com os cientistas! Na verdade, nenhum acelerador de partículas antes do LHC tinha energia suficiente para revelar a partícula “maldida” que, por conta de uma confusão editorial, passou a ser chamada — especialmente pela mídia desinformada e/ou sensacionalista — de “partícula de Deus” (confira detalhes dessa história aqui).

Quando participei da Escola de Física do CERN 2010, todos os cientistas com quem pude conversar lá no CERN tinham certeza de que o bóson de Higgs existia e acabaria aparecendo em algum experimento porque, de um total de 61 partículas previstas pelo modelo, apenas uma, o próprio bóson de Higgs, ainda não havia sido observado/confirmado. Eles alegavam que seria muita ironia o modelo falhar depois de tanto sucesso. E não deu outra! O LHC, desenhado para tentar “enxergar” o bóson de Higgs, dentre outras coisas, obteve sucesso e encerrou importante capítulo da Física de Altas Energias! Mas existem muitas outras perguntas a serem respondidas. E, talvez, perguntas que ainda nem sonhamos fazer acerca do mundo subatômico. Em Ciência, o livro não tem fim, é um capítulo atrás do outro!

O tempo passou rápido. Lá se foram cinco anos! O que será que os incríveis experimentos do LHC ainda vão nos trazer de novidades? A expectativa é enorme.  E o sonho gigante! Na dúvida sobre os limites do LHC, que tem quase 27 km de extensão e capacidade para operar em até 14 TeV por colisão próton-próton, já existe projeto de um novo acelerador de partículas nas dependências do CERN, ainda maior, com extensão entre 80 km e 100km, e que vai operar com ainda mais energia para tentar “ver” com mais detalhes as entranhas da matéria.

Esquema do novo acelerador de partículas que pretende superar o LHC (Fonte: CERN)

Pela relevância científica, a descoberta do bóson de Higgs rendeu Nobel de Física 2013 para os físicos François Englert e Peter Higgs, fato também documentado por mim em post aqui no Física na veia!.


Para ver (e relembrar)

Trechos em vídeo do histórico seminário do CERN de 4 de julho de 2012.


Para saber mais


Já publicado no Física na Veia!

(*) Post na plataforma antiga do blog

< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>