Física na Veia!

Arquivo : Escola de Física do CERN

Crise: professores brasileiros podem ficar fora da Escola do CERN 2017
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

Professores brasileiros participantes da Escola de Física do CERN 2010 com o prof. Nilson (coordenador do projeto)

 

Em 2010, concorrendo com mais de 400 professores de Física do ensino médio do Brasil, consegui uma das 20 bolsas integrais para participar da Escola de Física do CERN em Genebra, na Suíça. É no CERN que fica o LHC – Large Hadron Collider, o grande acelerador/colisor de hádrons, o maior acelerador de partículas já construído pelo homem. Acima, na foto oficial da turma de professores brasileiros de 2010, eu sou o primeiro da esquerda, em pé.

Foi uma experiência incrível e transformadora, documentada em posts diários cobrindo o evento em tempo real aqui pelo Física na Veia!.

O projeto, em parceria com o LIP – Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas (Lisboa, Portugal) virou uma referência na capacitação de professores brasileiros do ensino médio na área de Física de Altas Energias e repetiu-se no mesmo formato até 2014, levando a cada ano 20 novos professores brasileiros para conhecer o complexo de aceleradores e estudar no CERN.

Infelizmente, por conta da crise nacional, em 2015 houve severo corte de verbas e, sem a bolsa integral, os professores selecionados tiveram que bancar os custos de viagem e estadia, o que inviabilizou a participação de professores de escolas públicas. Em 2016 o corte foi ainda mais severo e nem mesmo os coordenadores do projeto têm verba para cobrir seus custos pessoais!

O belíssimo projeto está ameaçado e, lamentavelmente, pode não acontecer. Ou, se acontecer, mais uma vez deixar de fora professores de escolas públicas, o que é uma cruel exclusão exatamente onde temos mais carências.

Diante da situação, os coordenadores do projeto partiram para aquela que parece ser a única e emergencial saída: crowndfunding, ou vaquinha na web como costumamos chamar aqui no Brasil.

Assim, a participação dos professores brasileiros na Escola de Física do CERN em Língua Portuguesa na versão 2017 do evento está condicionada à ajuda de voluntários, benfeitores, pessoas físicas ou jurídicas que entendam a importância do projeto e aceitem colaborar com cotas que variam desde a irrisória quantia de R$ 10, acessível à maioria das pessoas, até R$ 600 que para algumas empresas também não é nada mas que, para o projeto pode fazer toda a diferença.

No site da vaquinha da Escola de Física do CERN você confere detalhes do projeto e a recompensa pela contribuição em dinheiro relativa à cada cota. Sim! Quem colaborar será, de alguma forma, retribuído. Ajuda o projeto e ganha desde um abraço virtual — singela mas carinhosa forma de agradecer a inestimável ajuda —até alguns kits contendo “mimos” ligados ao CERN e à Escola do CERN.

Vamos colaborar?

Além deste post, e o barulho que eu pessoalmente puder fazer nas redes sociais nos próximos dias, vou contribuir com uma cota em dinheiro. Afinal, tive o privilégio de ir para o CERN com bolsa integral. Espero que outros colegas, professores brasileiros que também tiveram o mesmo privilégio, mesmo sob a crise que nos assola, possam ajudar também e façam bastante barulho entre os seus contatos nas redes sociais.

Conto com você, leitor do Física na Veia!, para ajudar a propagar o link da vaquinha e, quem sabe, contribuir, ainda que com a cota mínima. Já diz o ditado: de grão em grão, a galinha enche o papo!

Abaixo você confere a foto oficial com os professores portugueses, brasileiros e africanos participantes da Escola de Física do CERN 2016. Vamos fazer todo esforço possível para que esta não seja a última foto com professores brasileiros neste projeto tão importante para a qualidade da formação de mais e mais professores brasileiros que juntos podem fazer a tão necessária diferença na educação básica brasileira.

Professores brasileiros, portugueses e africanos na Escola do CERN 2016

Abaixo, em vídeo, prof. Dr. Nelson Barrelo Jr (USP), que com o prof. Dr. Nilson M.D. Garcia (UTFPR) divide a coordenação brasileira da Escola do CERN, explica a situação crítica e esclarece detalhes sobre a necessidade da colaboração coletiva.


Já publicado no Física na Veia!

(*) Post na plataforma antiga do blog

Livro da Escola de Física do CERN: comprar ou baixar
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

Capa da obra

Capa da obra

 

Tive o prazer e a honra de participar¹ como autor do livro “Nós, professores brasileiros do ensino médio, Estivemos no CERN”.

A obra, idealizada e organizada pelo prof. Dr. Nilson Marcos Dias Garcia e editada pela SBF – Sociedade Brasileira de Física com recursos da CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, é uma coleção de 43 textos escritos por 49 professores brasileiros de física do ensino médio que participaram de diversas edições da Escola de Física do CERN em Língua Portuguesa que acontece anualmente em Genebra, na Suíça.

Lançado no ano passado, o livro está estruturado em cinco momentos distintos: 1) Localizando o CERN e a sua importância; 2) A Escola de Professores no CERN em Língua Portuguesa e a Escola de Física CERN; 3) A preparação dos professores selecionados para participarem da Escola de Física CERN; 4) A semana de curso no CERN; e 5) A difusão da experiência vivenciada após o retorno ao Brasil. Cada um desses momentos dá origem a um capítulo da obra. Confira:

Capítulo 1 – O CERN e a Física de Partículas
Capítulo 2 – A Escola de Física em Língua Portuguesa
Capítulo 3 – Preparando-se para ir ao CERN
Capítulo 4 – Experiências vividas no CERN
Capítulo 5 – A sala de aula pós CERN

O tijolão impresso, com 546 páginas, pode ser adquirido na Livraria da Física com desconto por apenas R$ 40,00 (+ frete). Mas, como se trata de um projeto sem fins comerciais, a partir de agora também está disponível para download em PDF. Logo, não há desculpa para não ter um exemplar físico ou digital.

Nada como um livro bem encadernado e organizado na prateleira da nossa biblioteca pessoal ou na cabeceira da cama, ao alcance das mãos. Concorda? Sem falar do insubstituível cheiro de tinta de um novo livro. Mas não há como negar que a leitura virtual é uma praticidade do mundo moderno e que está contribuindo para modificar positivamente o hábito de leitura das pessoas. Na dúvida, fique com as duas versões!

Para quem quer saber mais sobre o CERN e tudo o que acontece por lá, em especial no LHC – Large Hadron Collider, o maior acelerador de partículas de todos os tempos e que já fez história como palco da confirmação da existência do Bóson de Higgs que rendeu Nobel de Física em 2013o livro é um excelente ponto de partida. E vale também para divulgar esse importante projeto de capacitação de professores de física do ensino médio e que em setembro vai levar mais uma turma de docentes brasileiros para o CERN.

Fica a dica!


(1) Meu texto “Nunca mais minhas aulas foram as mesmas…” está na página 492 encerrando a obra e mostra, com exemplos, como o LHC e todo o conhecimento científico que gira ao seu redor dá suporte didático a praticamente todas as áreas do ensino da física clássica e moderna.

Já publicado no Física na Veia!

[09/04/2016]  Inscrições abertas para a Escola de Física do CERN 2016
[26/01/2015]  Nós estivemos no CERN
[05/09/2010]  O sonho de estar no CERN


Inscrições abertas para a Escola de Física do CERN 2016
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

 Fabíola Gianotti, que liderou a equipe do Experimento Atlas na descoberta do Bóson de Higgs

Fabíola Gianotti, que liderou a equipe do Experimento Atlas na descoberta do Bóson de Higgs e atual
diretora do CERN, falando no encerramento da Escola de Física do CERN 2015 ao lado do prof. Dr.
Pedro Abreu (LIP/Portugal) e do prof. Dr. Nilson Garcia (SBF/Brasil), coordenador da Escola de Física
do CERN no Brasil

 

O CERN – Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear mantém um amplo programa voltado à educação científica e destinado a capacitar professores de diversos países da Europa. Ele prevê visitas às instalações e laboratórios de pesquisa além de cursos sobre tópicos de Física de Partículas ministrados no idioma nativo dos participantes. Dentre as diversas línguas contempladas, está o Português, destinado a Portugal e alguns países da África convidados pelos portugueses.

Graças a uma parceria entre a SBF – Sociedade Brasileira de Física e o LIP – Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas, desde 2009 o Brasil participa oficialmente desse programa como país convidado.

Na versão atual, a Escola de Física do CERN (Portuguese Language Teachers Programme) começa no LIP, em Lisboa, Portugal, e é finalizada no CERN em Genebra, na Suíça.

Estão abertas, até o dia 2 de maio¹, as inscrições para a Escola de Física do CERN 2016 que acontecerá no segundo semestre, entre 28 de agosto e 2 de setembro de 2016.

Ficou interessado? Se você é professor de Física do ensino médio de escolas públicas ou particulares do Brasil, pode tentar uma das vagas nesse projeto fantástico! Confira o Edital. Corra. Faça o seu projeto e inscrição. E boa sorte!

A parte chata (e triste) dessa notícia é que a crise econômica pela qual passamos aqui no Brasil infelizmente chegou a esse belíssimo projeto. Segundo o Prof. Dr. Nilson Marcos Dias Garcia, coordenador da Escola de Física do CERN, “não foi possível obter financiamento para o custeio dos selecionados”, ou seja, “os recursos necessários deverão ser obtidos pelos próprios participantes”. Pelo menos o evento sobreviveu bravamente à crise e, quem sabe, mais adiante, volte a ter subsídio de alguma instituição financiadora de projetos de pesquisa e capacitação científicos!

1. As inscrições, pelo edital, terminariam hoje, 25 de abril. Mas foram prorrogadas em uma semana e agora podem ser feitas até 2 de maio!

 

O LHC

O LHC – Large Hadron Collider é o maior acelerador/colisor de partículas já construído pelo homem. Ele fica na sede do CERN em Genebra, na Suíça. 

Em dois (dos quatro experimentos) do LHC foi confirmada em 2012 a existência do Bóson de Higgs, partículas prevista pelo Modelo Padrão de Partículas nos anos 60 do século passado mas nunca antes observada (saiba mais nesse post e nesse outro post também).

Logo em 2013 a descoberta rendeu Nobel de Física para Peter Higgs e François Englert.

Em 2010 eu participei da Escola de Física do CERN com bolsa da CAPES e, através do Física na Veia!, em parceria com o UOL Ciência, cobri o evento em tempo real. Foi um sucesso! Veja aqui todos os posts da minha cobertura.

Minha visita ao LINAC 2, o primeiro estágio (de um total de cinco) do complexo de aceleradores do CERN que culmina no LHC.

Minha visita ao LINAC 2, o primeiro estágio (de um total de cinco) do complexo de aceleradores do CERN que culmina no LHC.

Posso garantir que conhecer de perto o CERN e o LHC é uma experiência transcendental. Num único lugar você pode ver de perto toda a Física de Partículas viva, da teoria à prática, e suportada pela mais alta tecnologia acumulada em décadas de pesquisas. É sensacional!

Vale lembrar que o LHC acaba de ser religado após passar por uma pequena parada técnica entre o final de 2015 e os três primeiros meses de 2016. Melhorado, o acelerador/colisor tem agora a capacidade para produzir e registrar 1 bilhão de colisões por segundo. Incrível, não? Ainda mais poderoso, o LHC vai continuar a sua busca por outras respostas que vão além do Bóson de Higgs que era apenas o seu primeiro alvo. “O que é a matéria escura?”, a maior parte da matéria que constitui o Universo e só sabemos existir indiretamente, pelos efeitos gravitacionais que produz, e “Por que houve assimetria entre a matéria e a anti-matéria originadas na criação do Universo?”, são apenas dois de outros tantos enigmas que podem ser desvendados. E é possível até mesmo que algo inesperado e realmente novo seja descoberto pelos cientistas! Vamos aguardar!

 

Nós … estivemos no CERN, o livro

Nos_Estivemos_No_CERN

Capa da obra escrita por diversos professores brasileiros participantes da Escola de Física do CERN

Em 2015 foi lançado o livro Nós, professores brasileiros de Física do ensino médio, estivemos no CERN (confira mais detalhes aqui).

O livro é uma coleção de textos com depoimentos de alguns dos professores brasileiros de física do ensino médio que participaram das diversas edições da Escola de Física do CERN em Língua Portuguesa.

O livro está estruturado em cinco momentos distintos: 1) Localizando o CERN e a sua importância; 2) A Escola de Professores no CERN em Língua Portuguesa e a Escola de Física CERN; 3) A preparação dos professores selecionados para participarem da Escola de Física CERN; 4) A semana de curso no CERN; e 5) A difusão da experiência vivenciada após o retorno ao Brasil. Cada um desses momentos dá origem a um capítulo da obra. Confira:

Capítulo 1 – O CERN e a Física de Partículas
Capítulo 2 – A Escola de Física em Língua Portuguesa
Capítulo 3 – Preparando-se para ir ao CERN
Capítulo 4 – Experiências vividas no CERN
Capítulo 5 – A sala de aula pós CERN

Ao todo são 43 artigos escritos por 49 professores, dentre os quais o meu próprio artigo “Nunca mais minhas aulas foram as mesmas” onde apresento inúmeros exemplos que mostram como usar o LHC como pano de fundo e motivação para muitas aulas que vão da Física Clássica até a Física Moderna.

O livro, com 544 páginas, pode ser adquirido na Livraria da Física por apenas R$ 40,00 mais frente.


No Facebook, para CURTIR e SEGUIR


Programação e material didático de edições anteriores da Escola do CERN (Portuguese Programme)


Já publicado no Física na Veia!

(*) Posts na plataforma antiga do blog

< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>