Topo
Blog Física na Veia

Blog Física na Veia

"Receita" para ver o cometa 46P/Wirtanen em máxima aproximação hoje!

Prof. Dulcidio Braz Júnior

16/12/2018 17h53

O 46P/Wirtanen fotografado por Alex Cherney pelo telescópio em 7/11/2018 na Austrália. (Fonte: NASA/APOD)

 

Hoje, 16 de dezembro de 2018, acontece a máxima aproximação do cometa 46P/Wirtanen com a Terra. Logo, teremos na noite de hoje a melhor oportunidade de observação do astro.

Apesar de bem pequeno, pela proximidade, é possível observá-lo a olho nu. Com um binóculo a experiência tende a ser mais interessante. Com uma pequena luneta ou telescópio, melhor ainda.

Mas tem um detalhe crucial: fique longe das luzes da cidade! O astro tem um brilho tênue facilmente ofuscado pela iluminação artificial noturna. Procure um lugar afastado, bem escuro, e (obviamente) que seja seguro. E aproveite o show! O cometa será visto como uma manchinha esfumaçada esverdeada, mais ou menos como na imagem abaixo obtida sem telescópio, só com câmera. Note que o cometa, sem o aumento de instrumentos, é bem pequeno. Mas é bem bacana, especialmente pela sua cor esverdeada!

O 46P/Wirtanen fotografado por Juan Carlos Casado em 5/12/2018 na Espanha.

 

Ficou interessado em observar o cometa? Siga o passo a passo logo abaixo, com paciência. Garanto que é mais fácil do que parece!

 

Como encontrar o cometa no céu?

Simulação do céu para São João da Boa Vista, SP, 16/dezembro, 21h. Abra-a noutra janela para ver detalhes.

 

A imagem acima é uma simulação em computador feita com o software Stellarium e mostra o céu para a minha cidade, São João da Boa Vista, interior de São Paulo, Brasil, às 21h de hoje (16/dezembro). Embora ela seja uma imagem fiel do céu para as minhas coordenadas geográficas exatas, ela serve como boa referência para qualquer localização no Brasil.

Para encontrar o cometa no céu, siga os seguintes passos:

  1. Olhe para o lado leste do horizonte, o lado do Sol nascente, por volta das 21h¹. Procure pela estrela Sírius, um ponto bem brilhante que se destaca ligeiramente para a direita do leste (L).
  2. Dirija o seu olhar um pouco mais para a esquerda, na mesma altura, e vai ver três estrelinhas alinhadas. São as Três Marias. Elas estarão logo acima de Betelgeuse, uma estrela bem alaranjada na constelação de Órion.
  3. Dirija o seu olhar um pouco mais para a esquerda e verá um conjunto de estrelas formando uma letra V invertida. Na ponta direita do V invertido você vai ver outra estrela bem brilhante e alaranjada. É Aldebarã, a principal estrela da constelação do Touro.
  4. Procure, um pouco mais à esquerda do V invertido, um aglomerado de estrelas. É, literalmente, um punhadinho de estrelas "amontoadas". Trata-se do aglomerado das Plêiades na constelação do Touro.
  5. O cometa 46P/Wirtanen estará entre Aldebarã e as Plêiades, um pouco mais perto das Plêiades, e ligeiramente abaixo do aglomerado.

E se eu não conseguir ver o cometa hoje?

Se não puder observá-lo hoje, ou se — como por aqui na minha cidade — o tempo estiver nublado, nos próximos dias, apesar de a partir de agora o cometa estar se afastando cada vez mais de nós, observações ainda serão possíveis.

Acompanhe a animação abaixo com as posições simuladas do 46P/Wirtanen entre os dias 16 e 22 de dezembro. Note que o cometa estará visível cada vez mais baixo no horizonte. E, com o passar dos dias, tende a ficar menor² e mais apagado.

Simulação das posições do 46P/Wirtanen entre 16 e 22 de dezembro. Abra a imagem animada noutra janela, em tamanho maior, para ver os detalhes.

 

Conte para nós depois se conseguiu observar o cometa, combinado?

 

Abraço do prof. Dulcidio. E Física (e Astronomia) na veia!


¹ Se observar o céu mais tarde, depois das 21h, tenha em mente que os astros vão "ascendendo" ao céu a uma taxa de 15 graus por hora, de leste para oeste.
² Cometas são astros congelados que orbitam o Sol. Quando se aproximam da nossa estrela, aquecem e material da sua superfície sublima, formando uma nuvem gasosa em torno do seu núcleo chamada coma que torna o astro bem maior e, portanto, observável. Muitas vezes o vento solar, fluxo de partículas que se desprendem do Sol, "sopra" a coma formando uma cauda. Estima-se que o 46P/Wirtanen tenha pouco mais de 1 km de diâmetro e sua coma esférica neste momento tenha o tamanho aproximado de Júpiter. Por ser pequeno, não formou uma cauda perceptível, tendo aparência esférica.


Este texto também foi publicado no Física na veia! (Steemit) neste link.

Sobre o autor

Dulcidio Braz Jr é físico pelo IFGW/Unicamp onde atuou como estudante e pesquisador no DEQ – Departamento de Eletrônica Quântica no final dos anos 80. Mas foi só começar a lecionar física para perceber que seu caminho era o da educação. Atualmente, além de professor, é autor de material didático pelo Sistema Anglo de Ensino / Somos Educação e pela Editora Companhia da Escola. É pioneiro no Brasil no ensino de Relatividade, Quântica e Cosmologia para jovens estudantes do final do ensino médio e início do curso superior. E faz questão de dizer que, aqui no blog, é professor/aluno em tempo integral pois, enquanto ensina, também aprende.

Sobre o blog

"O Física na Veia! nasceu em 2004 para provar que a física não é um “bicho papão”. Muita gente adora física. Só que ainda não sabe disso porque trocou o conteúdo pelo medo. Se começar a entender, vai gostar. E concordar: a Física é pop! Pelo seu trabalho de divulgação científica, especialmente em física e astronomia, sempre tentando deixar assuntos árduos mais leves sem jamais perder o rigor conceitual, o Física na Veia! foi eleito por um júri internacional como o melhor weblog do mundo em língua portuguesa 2009/2010 pelo The BOBs – The Best of Blogs da alemã Deutsche Welle."