Física na Veia!

Arquivo : circunferência

Duas voltas na Terra. E de carro!
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

Terra_raio

 

Você sabe exatamente quão grande é o nosso planeta, a Terra? Uma maneira didática de tentar imaginar o tamanho da Terra, aproximadamente esférica, é pensar na medida do seu raio r =  6371 km, valor obtido no plano do equador. Nosso planeta, você deve saber, é ligeiramente achatado nos pólos. Se medíssemos o seu raio numa direção que passasse pelos pólos, encontraríamos um valor um pouco menor.

Uma bola oficial de futebol, para comparação, tem aproximadamente 22 cm de diâmetro, ou seja, raio r = 11 cm. Precisaríamos enfileirar aproximadamente 58.000.000 de bolas de futebol (tamanho oficial) para obter distância equiavalente ao diâmetro do nosso planeta.

Você se lembra como é possível calcular o perímetro (ou arco completo) L de uma circunferência? Basta fazer a conta L = 2.π.r onde r é o raio da circunferência e π, de valor aproximado 3.14, o famoso número pi.

Usando essa ideia, a circunferência (ou perímetro) da Terra, no plano do equador, vale L = 2.π.r = 2 x 3,14 x 6371 que dá, aproximadamente, 40.000 km.

Lembrei-me disso ontem quando meu carro, que tirei zero quilômetro da concessionária, completou 80.000 km. Veja a prova logo abaixo em imagem que eu mesmo fiz, parando o carro com segurança no acostamento da estrada para registrar o exato momento!

Bravo_80000km

Hodômetro do meu carro registrando 80000 km rodados (ou “duas voltas na Terra”)

 

Achou exagerada a importância que dei à marca a ponto de considerá-la digna de foto? Explico. Se pensar bem, desde que comprei meu carro zero, já andei com ele 80.000 km, o dobro de 40.000 km. Na prática, é como se eu tivesse dado duas voltas completas na Terra sobre a linha do equador. Pensando assim, completar 80.000 km foi ou não foi um momento “histórico”?

Antes que você diga que isso é coisa de físico, ratifico que é mesmo! Tanto é verdade que, quando “dei a primeira volta na Terra” com meu carro, fiz equivalente registro fotográfico do hodômetro do veículo mostrando a marca de 40.000 km e escrevi um post aqui no blog. Se comparar as duas fotos, vai ver que curiosamente as duas marcas foram feitas praticamente no mesmo horário (6:38 e 6:40). E foi na mesma estrada, subindo a serra para lecionar em Poços de Caldas, MG. Mas isso eu deixo para os numerólogos “explicarem”.

E você? Quantas voltas já deu na Terra com o seu carro? Deixe o seu comentário.


Já publicado no Física na Veia!

* post na plataforma antiga do blog

Volta ao mundo de carro
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

Bravo_40000km

 

Não faz muito tempo que meu carro completou 40000 km rodados. A foto acima, feita às 6h38min  de uma  manhã fria (temperatura ambiente de 11 ºC), enquanto eu subia a serra para lecionar em Poços de Caldas/MG, comprova a marca.

Antes que você estranhe e me pergunte por que razão fotografei o hodômetro do meu carro marcando exatamente 40000 km, explico.

A Terra, nosso planeta, é praticamente uma esfera com ligeiro achatamento polar e raio equatorial de aproximadamente 6371 km.

O comprimento de uma circunferência qualquer, inclusive a circunferência do Equador, pode ser calculado por

 

L_igual_2piR

onde r é o raio da circunferência e π o conhecido número pi.

No caso da Terra (veja imagem abaixo), r = 6371 km (valor aproximado).  E o número pi, bastante manjado, vale π =  3,14 (valor também aproximado).

Terra_raio

Faça as contas comigo: L = 2 x 3,14 x 6361 = 40000 km (aproximadamente).

A foto acima, mostrando o hodômetro do meu carro, é simbólica. É como se naquele momento em que meu carro completava 40000 km rodados eu estivesse dando uma volta completa no mundo! E de carro? Entendeu?

Na prática não tem como realizar essa façanha porque o Equador passa por regiões de terra firme mas também por áreas oceânicas onde um carro não pode trafegar. Mas é simbólico, concorda?

Eu sei que você vai dizer que isso é coisa de físico maluco? Mas que nada! Para fazer a foto, parei no acostamento, liguei o pisca alerta, e só então fiz o registro da imagem com o celular, com toda a segurança. Não sou tão maluco quanto possa parecer! Mas que fique claro: sou físico!


Já publicado no Física na Veia!

 


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>