Física na Veia!

Arquivo : astronáutica

20 anos de OBA!
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

Auto-retrato feito pelo astrônomo Alan Fitzsimmons enquanto observava a Via Láctea no Observatório
de La Silla (deserto do Atacama, Chile). [Fonte: ESO – http://www.eso.org/public/images/potw1320a/]

Quem é que não gosta de observar o céu à noite? Quem não fica curioso e quer saber mais sobre como as estrelas se formam, evoluem e morrem? Astronomia é o maior barato! Alguém discorda?

Nas minhas aulas, quando faço gancho com assuntos ligados à Astronomia e à Astrofísica, o interesse dos alunos sempre cresce.

Para os jovens estudantes brasileiros do ensino fundamental e médio, a OBA – Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica é uma maneira divertida de aprender mais sobre os temas ligados à Astronomia. E a competição, nacional, um estímulo a mais para todo mundo estudar com vontade de “medalhar”.

Em 2017, essa importante olimpíada estudantil e que já virou tradição, chega à vigésima edição! Duas décadas! E já superou a marca dos 8 milhões de participantes! Sensacional! Só em 2016, a Olimpíada teve a participação de 744.107 estudantes de 7.915 escolas de todos os estados do Brasil e do Distrito Federal.    

Ficou interessado? Se você estuda nos níveis fundamental ou médio, em escolas públicas ou particulares, procure o seu professor de Física ou de Ciências e peça para ele inscrever a sua escola na OBA. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas até 19 de março.

Realizada em fase única, a Olimpíada acontecerá no dia 19 de maio, sexta-feira.  Ela é dividida em quatro níveis – os três primeiros são para alunos do ensino fundamental e o quarto, para os do ensino médio – e a prova é composta por dez perguntas: sete de astronomia e três de astronáutica. A maioria das questões é de raciocínio lógico. As medalhas são distribuídas conforme a pontuação obtida por cada nível. 

 Os melhores classificados na OBA 2017 vão representar o Brasil nas olimpíadas Internacional de Astronomia e Astrofísica e Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica de 2018. E os participantes dessa vigésima edição ainda vão concorrer à vagas nas Jornadas Espaciais, que acontecem em São José dos Campos (SP), onde os participantes recebem material didático e assistem a palestras de especialistas.

No próprio site da OBA você encontra material didático gratuito para baixar e estudar. E também todas as provas anteriores, de todos os níveis, que também constituem um rico material de aprofundamento.  O que está esperando?

MOBFOG

Além de ter crescido, a OBA se multiplicou e conta também com a MOBFOG – Mostra Brasileira de Foguetes que tem cerca de 90 mil participantes por ano lançando seus foguetes “caseiros” aos céus do Brasil. Mas não é só isso. Também nasceram as Jornadas Espaciais, as Jornadas de Foguetes, os Acampamentos Espaciais e os EREAs – Encontros Regionais de Ensino de Astronomia. Este último já capacitou mais de 6.200 professores passando por diversas cidades do país, até mesmo na longínqua Oiapoque, no extremo norte do Amapá.   

 – Mais recentemente, compramos, com a ajuda de uma “vaquinha” online, um planetário digital inflável para levar a astronomia ainda mais perto dos alunos e professores. Além disso, temos as participações contínuas nas Olimpíadas Internacionais de Astronomia e Astrofísica (IOAA, na sigla em inglês), tendo organizado a edição de 2012 no Brasil, e na Olimpíada Latino Americana de Astronomia e Astronáutica (OLAA), a qual ajudamos a fundar e realizamos três delas – explica o prof. Dr. João Batista Canalle, coordenador nacional da OBA

Segundo Canalle, a iniciativa não tem a intenção de criar rivalidade entre escolas ou promover competição entre cidades ou estados. “Queremos promover a disseminação dos conhecimentos básicos de forma lúdica e cooperativa entre professores e alunos, além de mantê-los atualizados”.

  

Organização 

 A OBA é coordenada por uma comissão formada por membros da SAB – Sociedade Astronômica Brasileira e da AEB – Agência Espacial Brasileira. São promovidos, desde 2009, os Encontros Regionais de Ensino de Astronomia (EREAs), entre 10 e 12 por ano. O programa é realizado com parcerias locais e principalmente com recursos obtidos junto ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Quem desejar organizar um EREA em sua região, basta entrar em contato com a secretaria (oba.secretaria@gmail.com).

Meus alunos sempre participam

Desde as primeiras edições da OBA venho incentivando meus alunos a participarem da competição que, muito além da disputa, serve para turbinar o conhecimento dos jovens estudantes.

Muitos dos meus alunos já conquistaram medalhas de ouro, prata e bronze. Vários foram selecionados para a “peneira” que monta a equipe dos campeões brasileiros que vão defender nosso país nas Olimpíadas Internacionais. Por dois anos consecutivos tive um aluno classificado como suplente da equipe olímpica brasileira. Confira abaixo “meus campeões” de 2016.

Leandro, Anael, Bruna, Guilherme, Mateus, Thaís, Vitor e Frank, meus alunos campeões na OBA em 2016

Se você é professor,  incentive seus alunos a participarem das olimpíadas do conhecimento, em especial da OBA. Garanto que no final, independente de medalhas, todos saem ganhando! E a diversão é garantida!


Já publicado no Física na Veia! 


Que tal “visitar” a ISS?
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

ISS_VT

Tela inicial do aplicativo mostrando o interior de um dos módulos das ISS.

 

Enquanto aguardo passagem da ISS – International Space Station ou Estação Espacial Internacional sobre a minha cidade (18h49min), deixo para você uma dica bem legal e que garanto vai render bons momentos de diversão!

Dificilmente teremos oportunidade de visitar a ISS pra valer. Concorda? Para subir até a sua órbita e nela embarcar, numa altitude média de 400 km, precisamos de treinamento pesado em astronáutica e carona permitida numa nave oficial que nos leve até lá.  Isso não é impossível. Mas bastante improvável para quem nem de longe será um astronauta.

Mas existe um aplicativo on line que nos permite uma visita virtual à ISS. Confira aqui.

Assim que você entra no sistema, vê o que mostra a imagem lá do topo do post.

Note, como destacado na imagem a seguir, que no rodapé da tela temos ferramentas bastante úteis e clicáveis para movermos a visão para a direita, para a esquerda, para cima e para baixo, além de darmos zoom in e zoom out.  Há também uma ferramenta para rotação automática do ambiente virtual para quando o braço cansar.

ISS_VT_menu2

Ferramentas úteis no rodapé da tela

 

Longe de querer fazer aqui um tutorial completo, quase sempre chato e burocrático, sugiro que você vá clicando em tudo e, em tempo real, conferindo o que acontece. Garanto que em minutos você já estará dominando o aplicativo que é bastante amigável!

Chamo a sua atenção o recurso MAP ON/OFF que liga/deliga um mapa da ISS que aparece no topo direito da tela (e que reproduzo na imagem abaixo). Ele é bastante útil porque mostra em que módulo da estação espacial você se encontra virtualmente, sempre destacando-o com um alvo em vermelho.  Os demais módulos ficam marcados com um alvo em verde que você pode clicar para mudar de ambiente a qualquer momento.

ISS_VT_menu

Mapa interativo. Útil para você saber em que módulo você se encontra e também para mudar de ambiente quando quiser, ao click do mouse.

Agora vou botar a cara para fora para ver a ISS passar! Nesse post dou as dicas de como observar a ISS a olho nu, brincadeira divertida que começa em descobrir com antecedência em que dia/hora a nave vai passar sobre a sua cidade e que trajetória fará no céu.

Se eu conseguir observar a ISS, volto para contar como foi. Combinado?

 

O que eu vi

[atualização do post 19h11min]

A imagem abaixo é um único frame de um pequeno vídeo que fiz mostrando a ISS (pontinho luminoso) cruzando o céu de minha cidade, São João da Boa Vista, interior de São Paulo, durante 3 minutos aproximadamente e a partir das 18h49min.

ISS_passagem_27jun2016

A olho nu a ISS é um ponto bastante luminoso, com jeitão de estrela, mas que se move rapidamente no céu. [27/junho/2016, ~ 18h50min]

A imagem acima dá uma ideia de como vemos a ISS a olho nu, ou seja, um pontinho bastante luminoso, como uma estrela, mas que se move rapidamente no céu. O mais incrível é imaginar que “dentro desse pontinho” que viaja a 27000 km/h tem astronautas que completam uma volta na Terra a cada 90 minutos aproximadamente!

Confira minhas dicas para seguir/observar a ISS nesse post. Quem sabe numa próxima passagem sobre o Brasil você observe a ISS daí da sua cidade!


Já publicado no Física na Veia!

(*) posts na plataforma antiga do blog

Mais uma edição da OBA
Comentários Comente

Prof. Dulcidio Braz Júnior

Alunos do ensino fundamental do Anglo São João, São João da Boa Vista, SP, na OBA 2016.

Alunos do ensino fundamental do Anglo São João, São João da Boa Vista, SP, na OBA 2016.

 

Você sabe o que é OBA? OBA é a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, evento oficial da SAB – Sociedade Astronômica Brasileira e da AEB – Agência Espacial Brasileira.

Aconteceu ontem, dia 13 de maio, sexta-feira, em todo o território nacional, a XIX edição dessa importante olimpíada estudantil destinada a alunos de escolas públicas e privadas do ensino fundamental até o médio. Para ser compatível com estudantes de idades tão diferentes, são quatro níveis de provas:

– Nível 1: primeira à terceira série do ensino fundamental
– Nível 2: quarta e quinta série do ensino fundamental
– Nível 3: sexta à nona série do ensino fundamental
– Nível 4: primeira à terceira série ensino médio

Tive o prazer de aplicar pessoalmente a prova para meus alunos do Anglo São João, em São João da Boa Vista, interior de São Paulo.

Agora é hora de arregaçar as mangas e corrigir as avaliações com atenção e seguindo o gabarito oficial do evento.  Depois temos que lançar as notas no site. E enviar as provas físicas para serem arquivadas junto à comissão organizadora do evento que fica no Instituto de Física da  UERJ – Universidade Estadual do Rio de Janeiro sob coordenação do prof. Dr. João Batista Canalle. Depois que todas as notas de todos os estudantes do Brasil forem oficializadas no sistema, serão definidas as medalhas de ouro, prata e bronze por faixas de rendimento na prova.

Fico na torcida pelos sucesso dos meus alunos e também pelo sucesso de inúmeros talentos da Astronomia e da Astronáutica espalhados por todo o nosso país. Vale lembrar que os melhores alunos da OBA 2016 serão selecionados para um curso de aprofundamento à distância organizado por astrônomos profissionais da SAB e que, depois de várias provas via internet, serão selecionados para a prova final presencial que vai constituir as equipes de estudantes brasileiros do ensino médio que defenderão o nosso país nas olimpíadas internacionais de Astronomia 2017.

OBA2016_EM

Alunos do ensino médio do Anglo São João, São João da Boa Vista, SP, fazendo a prova da OBA.


Paralelamente à OBA aconteceu também a X MOBFOG – Mostra Brasileira de Foguetes na qual alunos devem construir e lançar foguetes artesanais. Saiba mais sobre a MOBFOG no próprio site da OBA.

Parabéns a todos os alunos que fizeram a prova e construíram e lançaram seus foguetes! Todos já ganharam o mais importante: o conhecimento. Se vierem medalhas, melhor ainda!

Congratulações especiais aos organizadores do evento que bravamente chegou à sua décima nona edição. Toda iniciativa que tem por objeto contribuir para a melhora na qualidade da educação científica de base no Brasil merece incentivo e muito respeito!


Para saber mais

  • Visite o site oficial da OBA. Lá você vai encontrar muita informação além de vasto material didático gratuito e as provas de todas as edições da olimpíada resolvidas e gabaritadas, já incluindo a prova de ontem.
  • Simulados on line da OBA com um banco de questões que já foram cobradas em provas anteriores. No site da olimpíada você também encontra link para baixar o aplicativo simulado da OBA caso queira usar o seu smartphone como plataforma.

Já publicado no Física na Veia!


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>